Desmistificando a Área de Compliance para Empresas Inovadoras

Artigo escrito por Mayra Benaion, Compliance Consulting na MB Consultoria em Compliance de Processos e Estruturação Financeira

0
406
Startup

A área de Compliance pode fazer toda a diferença para o crescimento sustentável de uma startup.

No calor do início da operação, quando o foco é tornar o seu propósito conhecido e proporcionar uma boa experiência aos clientes para que haja a viralização do negócio, muitos empreendedores acabam negligenciando o básico das atividades-meio que suportam as atividades-fim.

Enquanto a empresa estiver pequena, problemas serão fáceis e rápidos de resolver. Mas empresas inovadoras podem ter um crescimento exponencial e, de uma hora pra outra, enfrentar questões complexas e com potencial de  prejuízo que pode alterar o seu rumo.

A falta de definição da área na estrutura organizacional das empresas é um ponto a ser observado.

Compliance hoje está muito difundido e tem um leque enorme de ramificações. Atenho-me ao Compliance de Processos. Essa área pode estar diretamente ligada ao CEO (se ainda não houver um CFO) dando suporte ao direcionamento básico do backoffice.

Questões que demandam tempo e que organizam a casa, como: gestão de fundo fixo, definição de prazos para pagamentos, previsão de fluxo de caixa, padronização dos comissionamentos, estabelecimento de políticas para reembolsos e solicitações de viagens, contratos de telefonias, uso de cartão corporativo, etc. vão evitar ruídos no futuro e garantir que exista um posicionamento da empresa. Isso gera segurança e credibilidade para os clientes internos e externos e respalda o crescimento a médio e longo prazo.

A operação deve ser avaliada em paralelo, pois as mudanças ocorrem numa velocidade frenética e é importante levantar os riscos inerentes a elas, deixando-as documentadas no que pode ser considerado um draft de uma Matriz de Risco. Esse documento pode ser de fundamental importância para uma revisão da estratégia definida em algum momento futuro. Lembrando que o “futuro” pode ser em uma semana.

O objetivo da área não é “engessar”, pelo contrário! É dar clareza às atividades realizadas pelos colaboradores e gestores com o intuito de mensurar o resultado do objetivo principal, que é saber se a necessidade do cliente está sendo atendida.

Políticas internas desenvolvidas com a participação e identificação dos colaboradores no sentido de um possível enquadramento futuro a políticas externas farão com que a adaptação seja “indolor” à cultura estabelecida.

Um bom exemplo é a elaboração e documentação do Culture Code. Partir do princípio que todos já sabem é arriscado e pode dificultar a entrada de novos aportes de capital. A utilização do bom-senso é muito subjetiva tanto para o “como fazer” operacional tanto para o “como agir” comportamental e é aí que o Compliance entra, destacando os valores da empresa e zelando para que a cultura esteja enraizada em seus colaboradores e devidamente disseminada para contagiar  aqueles que venham a ingressar em seu ambiente organizacional.

Um Culture Code documentado facilitará as novas contratações, pois já definirá o perfil do que precisa ser identificado em termos de competências estratégicas, direcionando para a avaliação de aderência à cultura.

E esse é objetivo da área: facilitar e direcionar o dia a dia da empresa. Prevenir “incêndios”, mas se eles ocorrerem (e eles vão ocorrer) ter um plano rápido para apagá-los. Deixar as rotinas fáceis e fluidas para evitar tropeços, ou diminuir o impacto, com a finalidade de não dispersar os esforços na busca de inovação constante, que é a sua principal razão de existir.



StartupMayra Benaion é economista formada pela UERJ com MBA em Finanças Corporativas/FGV e Gestão de Projetos/PUC. Atua há 18 anos nas áreas de Compliance e Financeira customizando metodologias de mercado às necessidades das empresas, deixando seus processos e resultados mais eficientes. Em 2010, fez parte dos gestores que estiveram à frente da primeira grande startup de inovação disruptiva do Brasil voltada para daily deal. Apaixonou-se pelo setor e hoje presta consultoria para empresas que visam crescer de forma sustentável mantendo o espírito empreendedor.

Este artigo reflete as opiniões da autora, e não do Compliance Review. O Compliance Review não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Favor incluir seu comentário
Favor colocar seu nome