Compliance e Comunicação

Artigo escrito por Edmo Colnaghi Neves, Mestre e Doutor em Direito do Estado PUC-SP

0
455
Comunicação

Treinamentos de compliance devem ser feitos de maneira periódica, vez que se trata de transformar a cultura de ética nos negócios de uma empresa,  transmitindo conceitos e valores que afetam diretamente o resultado da empresa e a performance do funcionário e consequentemente o lucro e os bônus executivos.

Uma vez estabelecidos visão, missão e valores, o código de conduta, as principais políticas e procedimentos, segue-se uma campanha de comunicação para divulgar sua existência e esclarecer sua aplicação à comunidade pertinente, ou seja, os funcionários, fornecedores, clientes, parceiros de negócios de demais “stakeholders”.

A comunicação tem um papel inicial neste processo de mudança cultural, deve ser aplicada aos novos funcionários assim que entram na empresa, no processo de integração e deve ser feita de modo periódico e atraente a todos os funcionários.

Vez que o compliance traz normas, valores, princípios e procedimentos que nem sempre estabelecem caminhos fáceis para o negócio, há uma tendência natural de não ser observado, sob o argumento de que não se conhecia o que estabelecia.

Não se pode permitir este argumento. A comunicação deve ser reiterada e explorar os vários meios possíveis. Alguns deles são eletrônicos. Vale enviar, por exemplo, uma vez por semana, um e-mail a todos os funcionários lembrando e esclarecendo algum ponto do Código de Conduta.

Não é necessário dizer que as mensagens devem ser enviadas em linguagem simples, evitando-se jargões, gírias, siglas e termos técnicos que são geralmente acessíveis somente a alguns grupos. A comunicação de compliance deve atingir a todos e ser bem compreendida.

Em uma das empresas em que trabalhei havia uma revista eletrônica, divulgada a todos os funcionários, sobre vários temas, duas vezes por semana. Em parceria com a área de comunicação, criamos uma coluna fixa sobre compliance em que procurava lembrar uma política de compliance por vez. Após algum tempo, os próprios colegas de Comunicação passaram a escrever artigos sobre compliance. Afinal, compliance é trabalho de todos os funcionários. Nesta experiência, tive a grata oportunidade de trabalhar com funcionários muito competentes de comunicação, parceiros fundamentais em qualquer programa de compliance.

Em outra empresa, a tela inicial de proteção dos computadores já trazia os valores defendidos pela empresa e assim cada vez que ligava seu computador ou notebook, antes de digitar sua senha, o funcionário era lembrado destes valores.

De quando em tempo é bom afixar cartazes nos corredores da empresa, na lanchonete e em outros lugares divulgando o website de compliance da empresa, o número do telefone e o e-mail dos canais de denúncias, bem como fotos dos colegas que podem ajudar no encaminhamento destas denúncias.

A comunicação para divulgação periódica sobre o programa de compliance, no entanto, não se limita a estes meios. Conjugando o tom da liderança com a comunicação, sugere-se que os diretores e gerentes sempre incluam em seus discursos para suas equipes e também em suas reuniões periódicas uma menção ao compliance. Liderar pelo exemplo é uma das máximas mais repetidas em programas de compliance.

Feita a comunicação sobre compliance e estabelecida uma rotina para sua reiteração de tempos em tempos, é hora  de se aproximar dos funcionários, ouvir suas dúvidas e preparar treinamentos presenciais, mas isto já é tema para outro artigo.


Edmo Colnaghi Neves é Mestre e Doutor em Direito do Estado PUC-SP. Atuou como Diretor de Compliance de multinacionais por mais de dez anos.

Este artigo reflete as opiniões do autor, e não do Compliance Review. O Compliance Review não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Favor incluir seu comentário
Favor colocar seu nome